Deus é Bom?

As minhas lágrimas têm sido o meu alimento dia e noite, enquanto me dizem continuamente: O teu Deus, onde está?”(Salmo 42.3)

Diante das tragédias que têm acontecido no Brasil e no mundo, muitas pessoas – evangélicas ou não – têm questionado sobre proteção divina, acidentes, doenças e mortes na vida de um cristão. “Se Deus é tão bom, porque Ele permite o caos?” é o que mais ouço.

Primeiro, temos que nos lembrar de quem é mal.

Deus criou o homem à sua imagem e semelhança, e então, o colocou no paraíso, onde não havia mal, não havia pecado. Portanto, o homem tinha acesso pleno a Deus. A única ordem que Deus impôs foi a de que o homem não comesse do fruto do conhecimento do bem e do mal. Mas, já sabemos o final da história. O homem desobedeceu a Deus, sua natureza foi corrompida e seu coração se tornou perverso. A partir de então, passamos a experimentar doenças, pecado e morte.

Desde então, não houve um dia se quer na história da humanidade que o homem passou sem pecar, sem ofender a Deus. O dilúvio aconteceu por causa do pecado da humanidade, Sodoma e Gomorra foram destruídas por causa do pecado do seu povo. E se analisarmos as histórias do povo eleito de Israel, sempre veremos o povo se corrompendo, idolatrando outros deuses, sendo levado em cativeiro, e por fim, Deus tendo misericórdia do Seu povo e o libertando. Leia Os.11.

Tendo em vista isso, já podemos concluir sobre quem realmente é mau. Nós somos maus (leia Rm. 3: 9-18), e o mundo experimenta o mal, por causa de sua natureza má. Enquanto Deus é excepcionalmente Santo, Boníssimo e Imutável.

Em segundo lugar, devemos nos lembrar do que a Bíblia diz acerca de sofrimentos.

Hoje em dia tem sido pregado na maioria das igrejas – por falsos mestres, é claro – que o verdadeiro cristão é alguém com ausência de problemas. Essa ideia tem gerado crentes mimados e inconformados com aquilo que Deus planejou para suas vidas [“o meu povo perece por falta de conhecimento (…)” Oséias 4:6]. Porém, à luz da Palavra de Deus, que é o verdadeiro conhecimento, vamos esclarecer algumas coisas.

NÃO É VERDADE que não teremos sofrimento na vida! O próprio Jesus, sendo o Filho de Deus, não foi poupado de nada que nós também não viéssemos a sofrer. Ele próprio advertiu que no mundo passaríamos aflições, mas que crêssemos somente Nele e na sua vitória final. O Mestre também avisou a Pedro que Satanás o requerera para “peneirá-lo”, entretanto Jesus não promete livrá-lo de tal infortúnio, mas diz que oraria, “para que a tua fé não desfaleça”. Este próprio apóstolo, mais tarde escreveria para que não estranhemos o fogo ardente que surge em nosso meio destinado a provar-nos (I Pedro 4:12).

NÃO É VERDADE que enfermidade é sinal de pecado, e que o cristão fiel não adoece! Servos fiéis em Cristo podem, em algum momento da vida desenvolver Alzheimer, catarata, depressão, labirintite, câncer, osteoporose ou qualquer outra doença. Neste exato momento há um grande número de cristãos nos hospitais orando humildemente por saúde ou aguardando operação. Companheiros de Paulo, Trófimo ficou doente em Mileto, Epafrodito adoeceu mortalmente chegando às portas da morte por causa da obra e Timóteo sofria de frequentes enfermidades do estômago. Há vidas trágicas com saúde e há vidas abençoadas sem saúde.

NÃO É VERDADE que todos seremos ricos no sentido material! Cristãos sinceros espalhados neste mundo morrerão sem nunca ter abundância de bens. Milhões de cristãos sudaneses, nigerianos ou quenianos sequer possuem sandálias para calçar. Habitantes do Jequitinhonha, bolsão de miséria no Brasil, poderão conhecer a Cristo, mas provavelmente continuarão morando em suas sufocantes taperas sem jamais se refrescarem sob um ar-condicionado. Devemos lutar contra essas terríveis injustiças sociais, mas sempre sabendo que “nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele. Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes”. O Reino de Deus é composto em sua maioria por gente humilde, como copeiras, auxiliares, pedreiros, costureiras, gente que nada é aos olhos do mundo. Não há vergonha nenhuma nisto, pois a vida de um homem não consiste na abundância de bens que ele possui (Lc. 12:15).

O que falta para nós é nos lembrarmos de duas coisas. A primeira é da Cruz de Cristo. Nela, qualquer sofrimento é deixado de lado quando comparamos ao sacrifício de Jesus. Nela, depositamos nossos fardos pesados. É para ela que devemos olhar, mesmo que caídos no chão. Quando olhamos para Cruz de Jesus nos lembramos que a Graça Dele nos basta e que Ele é a nossa coroa, Ele é o que nos satisfaz. A segunda coisa que devemos nos lembrar é que somos eternos e portanto, nossa vida terrena pouco importa. Não importa se teremos saúde ou não, dinheiro ou não, sucesso ou não, ou se enfrentaremos terríveis tragédias. Para nós, que somos PEREGRINOS, o que importa é onde passaremos a eternidade. E Deus sabe disso, por isso não nos priva de enfrentarmos adversidades.

Que a partir de agora, você NUNCA MAIS diga que se alguém não é curado, a culpa é da falta de fé. NUNCA MAIS pregue que as coisas ruins são sempre resultado de maldição. NUNCA MAIS afirme que Deus o pôs por “cabeça e não por cauda”, tentando justificar proeminência para si. PARE de afirmar que é “filho do Rei”, e por isso está a salvo das intempéries da vida. Mesmo os filhos do Rei baterão seus carros, torcerão tornozelos, amargarão tempos no hospital e passarão por aperto financeiro. NUNCA MAIS deturpe textos bíblicos para justificar seus engodos como fizeram com “tudo posso naquele que me fortalece”, que foi retirado do seu contexto original para inferir que “posso alcançar tudo o que eu desejo”, quando na verdade Paulo está falando de sua tribulação, humilhação, pobreza, abandono, escassez… e que ele podia “suportar todas aqueles coisas Naquele que o fortalecia”.

No nosso sofrimento Deus também está sofrendo conosco. Ele está enxugando nossas lágrimas, e por um breve momento ainda sofreremos, mas Ele nos dará a força e ânimo para continuar vivendo sem medo, sem amargura e sem rancor.

Quando os maus dias chegarem, e um dia eles chegam, com certeza irão te perguntar: “E o teu Deus, onde está?”. Responda que Deus está onde Ele sempre esteve: ao seu lado.

 

Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra. E depois de consumida a minha pele, contudo ainda em minha carne verei a Deus.” (Jó 19:25,26)

 

“Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.” (Salmos 23: 4)

 

Que Deus tenha misericórdia de nós.

 

Sola Fide!